Capítulos comentados (2)

O Pensamento como . ponto de Partida

     2 – Autoconhecimento – quem sou eu?     (pg 43 a 72)
      “Se existe uma força que aumenta a raiz da dor, ela é a recusa em aprender além do momento presente”.

Clarissa Pinkola Estés (analista junguiana)

O caminho para potencializar nossos recursos interiores é o autoconhecimento. Ele é o mapa que nos auxiliará a alcançar nosso espaço nesta viagem única pela Terra.

A secular pergunta que  intrigou os filósofos através dos tempos é sempre atual, e todos algum momento de suas vidas se deparam com ela: quem sou eu?

Existem muitas “dicas”, confabulações, sugestões, estudos e premissas sobre o assunto. Todos ou alguns deles podem se afinar com nosso momento de busca. Não existe uma resposta, aqui não se aplica a linearidade. Estamos imersos na multidimensionalidade e como tal, tudo se interliga. Percebemos conforme nossa nível de consciência. O que para um real, para o outro pode parecer “viagem”.

O importante é estarmos abertos ao aprendizado constante, sem julgar. Cada ser em si carrega o dom de ser capaz, canta Almir Satler. Poetas e artistas em geral tem uma proximidade maior com sua alma, sua intuição e ‘sacam’ melhor as coisas que vem de dentro.

A mente de cada um tem um campo elétrico que varia conforme o humor e a química cerebral,  frequências de ondas, medidas através do eletroencefalograma ou EEG. As atualmente detectadas e conhecidas são Beta, de 13a 25 Hz; Alfa de 8 a 13 Hz; Theta de 4 a 7Hz  e Delta de muito baixa frequência, de 0,5 a 4HZ.

Beta são as ondas presentes no  nosso estado de vigilia ou acordados. Alfa, quando relaxamos, usado na yoga. Nas ondas Theta, entramos em estado de sonolência, usado em induções hipnóticas, é quando nossa defesa do ego baixa e é o melhor momento para fazer as programações dos nossos objetivos. Thomas Edison gostava de fazer uso desse estado, quando tinha seus “insights”.  No estado  Delta,  dormimos profundamente ou estamos inconscientes.

Por que saber disso?

Sabendo como nosso cérebro funciona, podemos tirar proveito da melhor hora para praticar nossos programas com imagens mentais, que são ferramentas poderosas para atingir nossos objetivos de vida e cuidar melhor de nós, da nossa saúde.

O stress é responsável por boa parte das doenças em nosso organismo. Ele exaure nossa reserva de energia, altera a química corporal, responsável pelo nosso equilíbrio, baixando as defesas do corpo. O inimigo está á espreita em forma de fungos, bactérias, vírus, etc.

“ Conhecer-nos é um conjunto de atitudes. O corpo é o que manifesta os sintomas quando algo não está bem, mas antes já houve vários outros sinais mais sutis a nível mental e emocional; geralmente não prestamos mínima atenção a eles”. (pg.58)

Equilíbrio leva à harmonia e isso é saúde. As emoções tem um papel vital na nossa existência. Se não são devidamente expressas ou reconhecidas, elas ficam atuando à nível psicológico, podendo causar grandes estragos em nossa vida e das pessoas próximas. Basta olhar em volta e ver os acontecimentos noticiados diariamente. Elas são energias no corpo e precisam ser devidamente conduzidas e canalizadas. Doença é a perda da unidade.

Lembrete:  emoção e imagem se equivalem; mudando a imagem, mudamos a sensação ligada a ela. Isso você pode fazer…Hã?

Se interessou pelo assunto?    Saiba mais lendo o livro.

No próximo capítulo: Imaginação e criatividade