Fogão a lenha – delícias do inverno gaúcho

 

Adoro o inverno, esse frio seco, com o sol aparecendo meio tímido. O céu fica azul, limpo, toda sujeira parece que vai embora. A gente se encolhe, recolhe, e fica mais com a gente mesma. Dá vontade de ficar na ‘toca’, curtir o calor do fogão a lenha! 

Que delícia que é um foguinho, a chaleira com água chiando, pronta para o chimarrão, o pinhão assando na chapa, estalando para avisar que está no ponto! Na frente, aquela sujeira, cinza, resto de graveto, lenha secando…que importa? Me sinto um pouco como a gata borralheira dos contos de Grimm, (numa versão mais madura…hahaha… )   

Esse inverno gelado me remete aos invernos da minha infância.  Era muito frio, a gente ia a pé para a escola. Carro não existia, e praticamente nenhum dos confortos e facilidades atuais. Só a vontade de aprender. E a gente era feliz! Cheio de esperança, curiosidade e vontade.  

Nesta época tresloucada e cheia de estímulos e apelos, onde excessos de toda ordem invadem o dia oferecendo receitas de felicidade, mais do que nunca é importante ficar atento e não se deixar desviar da verdadeira fonte.    –    Ela está dentro de nós, na nossa conexão profunda com nossa alma, com a natureza e  através dela, com Deus, que é e está em tudo.  

O inverno pode ser  um grande auxílio neste processo, pois nos propicia um silêncio maior, menos estímulos externos, mais reflexões, e uma grande chance do melhor encontro da nossa vida acontecer:

conosco mesmos!

Aquela sensação de plenitude, de estar bem, de não precisar de nada, só pode ser encontrada neste encontro. E nada, absolutamente nada,  se equipara com ela. 

Com fogão a lenha, ou sem, curta o inverno, aproveite essa fase de recolhimento, prepare-se, para que na próxima primavera possa explodir em flores e frutos a partir dos seus achados!

Bom inverno! Com muito calor, do sol, do fogão e do coração!